Pelas ruas do Rio de Janeiro. Dois (ou três?) olhares estrangeiros: Henry Chamberlain e Jean-Baptiste Debret